Mirror’s Edge 2 Catalyst – Análise

3D, Ação, Análise, Consoles, Jogos

Mirror’s Edge Catalyst é o jogo da Eletronic Arts, EA, lançado dia 7 de Junho para todas as plataformas da nova geração e segue o enredo do clássico da geração anterior. O jogo é um reboot, e, apesar desse nome sempre causar estranhamento e olhares tortos. Foi bem recebido pelo público e crítica, recebendo nota 75 no metacritic.

Análise Mirro’s Edge

Mirror's Edge

Mirro’r Edge Catalyst segue a mesma mecânica de seu antecessor, que é um run first person. Logo de cara vemos Faith saindo da prisão e encontra um runner que a irá auxiliar ao longo do jogo chamado Icarus. Icarus o leva até Noah, que criou Faith após a morte dos pais. Faith ainda tem que lidar com Dogen, que a relembra as coisas que teve que fazer para auxiliá-la a sair da prisão mais rápido. Lidando com várias escolhas e sem saber muito bem em quem confiar, Faith corre, não só pela sua vida.

Arte e Consistência Visual

Vamos para uma parte que particularmente gosto. A arte de um jogo é extremamente importante para compor sua identidade visual. Mirror’s Edge, em 2008, deixou sua marca logo de cara ao inovar na mecânica first person. O jogo conta com uma paleta de cores que varia entre o azul e o vermelho.

O vermelho, acredito que a maioria saiba boa parte dos significados. É uma cor quente e, além do amor, está associada ao poder, à guerra, ao perigo e à violência. Coisas que, indubitavelmente cercam Faith em sua jornada.

A cor azul significa tranquilidade, serenidade e harmonia, mas também está associada à frieza, monotonia e depressão. É a cor da realeza (sangue azul) e da aristocracia. É uma cor fria, considerada a mais fria entre os tons frios. Azul também é sinônimo de modernidade, tecnologia. Por isso muitos seriados futuristas, ou até mesmo armas do famoso steampunk usam azul como base.

Embora azul e vermelho sejam cores primárias e a soma dos dois dá violeta, vemos algo que é nitidamente destoante da soma da paleta de cores clássica dos jogos: o amarelo. O amarelo, porém, não é usado à toa. Se analisarmos o círculo abaixo com o triângulo cujas pontas são as somas de cores primárias, vemos que o amarelo é a cor primária oposta à soma de cores azul e vermelho.

Cores

Pode parecer estranho, mas ele ser uma cor oposta dá toda uma quebra da monotonia de cores constantes. Além disso, o amarelo significa luz, calor, descontração, otimismo e alegria.É uma cor inspiradora e que desperta a criatividade. Estimula as atividades mentais e o raciocínio.

 Game e Level Design

Mirror's Edge
Como desenvolvedor de jogos que sou, não posso deixar de analisar esses dois fatores. Para mim, considero os mais importantes em um jogo. Àqueles que não estão familiarizados com os termos, não se preocupem.

Game Design: consiste em como a história será contada, todo o enredo, somado com direção e consistência visual e imersão.

Level Design: forma como o mundo do jogo é construído, onde cada coisa vai ficar, como a câmera vai reagir a tal coisa.

Devo dizer que a pessoa responsável pelo level Design desse jogo conseguiu resolver um problema muito recorrente do jogo de 2008. O primeiro jogo você muitas vezes ficava perdido, sem saber para onde poderia ir. Embora tivessem indicações que só ficavam claras quando você fazia e refazia as coisas, para esse novo jogo foi resolvido. Não só a questão visual de como os obstáculos que você deve superar foram melhorados. A própria história faz com que seja plausível você ver uma nuvem vermelha tipo a do seriado Lost te indicando aonde você deve ir.

Isso é em decorrência do runner Icarus te dar um dispositivo capaz de identificar o trajeto.

Vale a pena jogar?

Senhoras, senhores, estamos falando de Mirror’s Edge. Não existe a opção de não jogar. Não é à toa que o jogo é muito bem recebido e é um clássico. Ele merece uma atenção especial. O único porém, claro, já que nada é perfeito, é que ele é repetitivo. Mas isso não tirará a essência de um enredo bem construído e uma mecânica nova e cheia de coisas a serem exploradas.

Matheus Bigogno

Estudante do curso superior de Jogos Digitais. Começou como estudante de Ciência da Computação, mas sempre soube que sua vida iria envolver jogos de alguma forma. Amante de quadrinhos, principalmente a linha da Vertigo, seriados, e filmes. Ama a cultura pop, nerd, e geek. Fã de um bom Rock Progressivo, ama bandas como Pink Floyd, Genesis, Rush e Jethro Tull. Escreve em blogs desde 2010, sempre gostou do formato e de tudo que envolve essa arte. Gosta de escrever sobre tudo: a vida, o Universo e tudo mais.